Arte da pedra


FOTOS: ROBERTO ROCHA/DIVULGAÇÃO-RS/DIVULGAÇÃO-CS

SITUAÇÕES escatológicas na pintura (1) de Diogo Marcel, instalação (2) de Rui Santana e arquitetura de Niemeyer (3) na visão de Celeste Sardemberg




Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS

O destaque maior no fim de semana foi a abertura noturna da instalação de Rui Santana em condomínio fechado em Rio Acima. Trata-se de “Arqueologia Primária”, em que utiliza cacos de pedra como suporte principal e elementos aglutinantes com pintura e serigrafia e rejeitos minerais. O trabalho fica em exposição permanente.
Transformar rejeitos de pedra em arte, essa é a proposta cultural e ambiental que o artista plástico Rui Santana efetivou, ao reunir centenas de cacos de pedra São Tomé ou quartzo. Tal proposta que está aprisionada numa caixa de concreto e vidro com iluminação especial, foi inaugurada na sede do Empório, do Condomínio Canto das Águas, em Rio Acima.
A obra, doada pelo artista ao “Canto das Águas”, mede sete metros de largura por três de altura.
Ao evitar o desperdício de minerais com o projeto, visa antes de tudo, que a idéia da obra é resgatar a memória ancestral que faz parte da cultura do ser humano, relacionando o trabalho com o universo simbólico atual. Por sua vez, a série de pinturas nas pedras cria uma relação semiótica entre o público e a obra, que tem o poder de signo, onde cada caco, ou melhor, cada pintura é uma conexão para memórias pessoais, reitera ele.
De acordo com Santana, a iniciativa começou há uma década e já recebeu o prêmio Feam de Ecologia, na premiação design Brasil, promovida pela Cult (1997-98). Para os interessados, por ser em condomínio fechado, visitas devem ser agendadas antecipadamente, ou seja, com a direção do Condomínio Canto das Águas de Rio Acima ou diretamente com o artista, que mantém ateliê no local.
Mudando de conversa, entra em cartaz quarta-feira, na galeria de arte do PIC-Cidade, a coletiva de alunos do Grupo Escola Maison, em homenagem ao talento de Oscar Niemeyer. Na exposição em tributo a Oscar Niemeyer, por seus 100 anos, 11 artistas plásticos mostram telas inspiradas na arquitetura e na vida do maior arquiteto brasileiro: Celeste Sardemberg, Dolores Paiva, Elaine Tassini, Fátima Dias, Jefferson Alves, Júniza Diniz, Miriam Leal, Thelma Quevedo, Vania Veloso, Vera Sidenei, Vera Grossi e outros.
A curadoria é do artista plástico e professor Glauco Morais, que propõe um paralelo entre o mundo da arquitetura e das artes visuais. Enfim, como aponta o próprio Niemeyer, “De um traço nasce a arquitetura” há de tudo um pouco, do clássico ou acadêmico, passando pelo impressionismo versus expressionismo e por que não? até o estilizado um tanto o quanto caricaturizado...
Por sua vez, a Galeria Copasa inaugura individual de Marcel Diogo, quinta-feira, em sua sede do Santo Antônio. O artista, de 24 anos, produziu dez óleos sobre tela com a temática das naturezas mortas, onde a pintura, de vertente figurativa e naturalista, congela instantâneos de cenas de morte, sejam provocadas pelo crime ou pela simples perda da vida. Os corpos, na sua maioria nus ou embrulhados em jornais, dialogam no espaço com frutas, legumes, sacos plásticos, caixas de fósforos e.
A maioria das propostas tem formato de 1,45 x 1,40 cm. A exposição, na opinião do expositor, tenta regatar para as novas gerações um estilo de pintura considerado menor pelos artistas desde o Renascimento aos contemporâneos. Além disso, ele utiliza a fotografia e o vídeo para montar as cenas retratadas nas telas que, repito, têm muito a ver com a arquitetura desconstrutivista...

“Olhar da arte sobre a arquitetura de Niemeyer” - Vernissage na quarta. Visitas de segunda a sábado, de 8 às 23 horas, no PIC-Cidade (Rua Cláudio Manoel, 1185, Funcionários). Até 30 de outubro.
Marcel Diogo - Vernissage às 19 horas de quinta-feira, na Galeria de Arte Copasa (Rua Mar de Espanha, 525, Santo Antônio). Visitas de 8 às 18 horas, incluídos sábados e domingos. Até 4 de novembro.


(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte, membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte e da Associação Internacional de Críticos de Arte (ABCA-AICA).Home Page: www.morganmotta.com. E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br

01.10.2007