Jovem Guarda

RAMAYA e Cristiane Vallias, representados por Luiz Henrique Vieira; cena do “Manifesto das Flores", de Severino Iabá; acrílica de Raphael Baptista; instalação de Angela Geo; fotografia de Dante Borges e pintura de Thiago Santos (Fotos Diogo Torino / DiogoTorino/ S.Iabá/ Divulgação /Galeria 8/Dante Borges/DTS)

O Resumo HOJE, tradicional promoção deste crítico e do HOJE EM DIA, busca na nova geração os artistas de destaque em 2003, que farão parte da mostra coletiva a ser realizada no segundo semestre.
O Resumo visa, antes de tudo, dar o realce merecido àqueles que mais se destacam, individual ou coletivamente. São instituições e equipes, artistas e colecionadores, numa resenha que desdobra-se em coletiva. Neste ano, a mostra manterá seu formato, dividida em três módulos distintos: “Universo do Colecionador", “Talentos Emergentes" e “Exposição do Ano".

Os artistas convidados do módulo “Talentos Emergentes" são Dante Borges, Angela Géo, Raphael Baptista de Oliveira e Tiago dos Santos, representantes da nova e novíssima gerações, com suas fotografias, desenhos, objetos e instalações, pinturas... Enfim, tudo relacionado à arte contemporânea, afinada com as realizações internacionais.

O “Universo do Colecionador", cuja finalidade é destacar acervos de colecionadores, desta vez focaliza o casal Cristiane e Ramaya Vallias, também da nova geração, partindo dos seus respectivos portraits, criados por Luiz Henrique Vieira, e de obras de conceituados modernistas e contemporâneos como Di Cavalcanti, Volpi, Amilcar de Castro, José Pedroso, Amancius, Maurino, Fernando Pacheco, Emanuel Nassar, Jorge dos Anjos, Sonia Ebling e Inimá de Paula.

Cristiane Schereiber Vallias diz que pretende acrescentar à coleção, ainda neste ano, um Alberto da Veiga Guignard e gravuras de Salvador Dalí e Pablo Picasso. O marido, Ramaya, por sua vez está de olho em Portinari e Rêgo Monteiro. Ele é um dos diretores da Zigma Importação e Exportação, conhecida por patrocinar vários programas culturais em Minas Gerais e em São Paulo.

Ramaya diz que seu sonho maior de consumo é um Portinari; no entanto, com sua modéstia, afirma que ainda é cedo para tal aquisição. “Quem sabe, daqui a uns cinco ou dez anos, ou então, no final da década".
Quanto ao módulo “Exposição do Ano", o escolhido é Severino Iabá. Numa cidade em que exposições conceituais são realizadas em galerias, espaços culturais e até museus, mas sem nenhuma consistência, Iabá continua em alta, com seus ambiciosos projetos de poucos recursos.

Sua “Via Sacra da Fome e da Miséria", realizada em todo o País, foi destaque numa das últimas edições do Resumo HOJE, com fotos e vídeos. No decorrer de 2003, com o projeto “Manifesto das Flores", ele se apropriou do Parque da Mangabeiras, da parte que fica no fundo do Palácio das Artes, no Parque Municipal e, numa proposta de criação coletiva e em nível de arte conceitual, sem exagero nenhum, foi o que aconteceu de mais importante no Brasil.

Com a proposta, que interagia com alunos de escolas estaduais e municipais da periferia, ele fez ressoar por toda a cidade um grito contra a violência e a exclusão.
Desde a Semana de Arte de Vanguarda, realizada com a inauguração do Palácio das Artes, em 1971, e os Domingos de Criação no MAM do Rio de Janeiro, não se via nada tão consistente,
desdobrado em curtas-metragens, vídeos e fotos.


OS TALENTOS Raphael, Dante, Severino, Angela e Tiago (da esquerda para a direita)


Novos transitam pelo experimentalismo

Os artistas convidados do módulo “Talentos Emergentes" _ Dante Borges, Angela Géo, Raphael Baptista de Oliveira e Tiago dos Santos _ têm em comum o experimentalismo e a criatividade.
Dante Borges, ex-aluno da PUC que trocou a Engenharia pela Comunicação Social, revelou-se excepcional fotógrafo em concurso interno, por suas experimentações em termos de lighting. Interessado no metier a que se propôs, ele lê tudo que há de novidade em termos de fotografia.
Borges partiu do experimental, incursionou pelo Jornalismo e a Moda, mas está de volta à sua preferência maior, o experimental, sem recorrer a soluções virtuais.
Angela Géo, depois de trafegar pela pintura, desenho e escultura, fixou-se nas esculturas em silicone, megas-desenhos-objetos, na maioria das vezes transformados em instações.
Sua recente individual, realizada na Galeria 8, com aval do crítico de arte e esteta Moacyr Laterza, foi lançamento bem cuidado sob todos os aspectos _ da divulgação, passando pelo depoimento “ao vivo", seguido de análise do professor Laterza. Daí, ela passou a integrar o fechado e conceituado núcleo de artistas contemporâneos.
Raphael Magalhães Baptista de Oliveira, artisticamente Raphael Baptista, é artista plástico autodidata que desde criança demonstrou o prazer e o dom pelo desenho. Por influência da família, ele passou a pintar aquarelas, mais tarde telas a óleo, até finalmente chegar à tinta acrílica, técnica que desenvolve atualmente.
Em meados do ano 2000, Baptista começou a freqüentar o Atelier de Artes Selma Weissmann, e participou, desde então, de várias exposições coletivas e individuais. Foi premiado no projeto “Arte no Ônibus", promovido pela Prefeitura de Belo Horizonte em parceria com a Telemig Celular. Sua obra premiada foi exposta na maioria dos coletivos da capital.
Sobrinho de Mário Silésio, um dos mais conceituados neoconcretos dos anos 50, não se sabe se consciente ou inconscietemente, Raphael Baptista está sempre a fazer releituras do tio Silésio e do pintor Morandi, outra de suas admirações.
Tiago Santos, de ex-graffiti de ruas a aluno da Fundação Escola Guignard, é exemplo daquela velha história do garoto rebelde da periferia que, da arte pop parte para o hip-hop, que é um desdobramento da pop. Ele foi a grande revelação do Projeto Arena da Cultura, que, com suas oficinas comandadas por Rui Santana, a cada edição revela valores egressos da periferia.
No catálogo de sua mais recente individual, a crítica Maria do Carmo Arantes, o jornalista Dídimo de Paiva e a secretária Municipal de Cultura, Celina Albano, avalizam a trajetória de talento de Santos.

Morgan da Motta
12.01.2004