Santo Pablo

“Jaqueline de Mãos Cruzadas" (foto Caixa/Divulgação)

A Oca, prédio criado por Oscar Niemeyer em pleno Parque do Ibirapuera, abriga grande mostra do pintor espanhol Pablo Picasso. São 126 obras, entre pinturas, esculturas, cerâmicas, desenhos, colagens e até gravuras.
Picasso nasceu em Málaga, no sul da Espanha, em 1881, e precisou de poucos anos para ser considerado gênio. Ele começou a desenhar aos oito anos e, aos 14, dominava a pintura, quando realizou uma obra-prima como “Garota com Pés Descalços" (presente na retrospectiva).
Considerado um dos mais importantes nomes da arte no século XX, ele foi fundador do Cubismo, ao lado de George Braque, revolucionando a estética na primeira década do século. Picasso é ponto de partida para vários outros movimentos artísticos, e foi fonte de inspiração para vários pensadores do século passado, incluse Albert Eisntein.
Sua vida e percepção de mundo mudaram quando foi para Barcelona (1900), e de lá para Paris (1904), onde conheceu nomes como Matisse e Braque, e até figuras do underground _ mendigos e prostitutas inspiradoras da obra “Demoiselles d'Avilgnon", considerada marco do Cubismo na Europa.
Composta por acervo razoável, mediano, a mostra paulistana é valorizada por exibir praticamente todas as fases do artista. A montagem é didática, ordenada em oito fases da vida do artista, mas o público não vê exemplares de impacto histórico, à exceção de “Jacqueline de Mãos Cruzadas", de 1954. Quanto ao representante da Fase Azul, “Retrato de Homem" (1903), é uma tela danificada.
O Museu Picasso, no bairro parisiense do Narais, formou seu acervo com mais de 3000 obras que o governo francês recebeu da família do artista, como imposto por transmissão de herança, e isso explica o nível da exposição, especialmente para quem viu a série de mulheres na primeira Bienal de São Paulo, o monumental painel “Guernica" e mais de 60 pinturas na Bienal de 1953.

Picasso _ No Parque Ibirapuera, em São Paulo (SP). Entrada franca para menores de cinco anos, maiores de 65, aposentados, deficientes físicos e grupos de escolas com visitas pré-agendadas. De terça a sexta, de 9 às 21 horas, e aos sábados e domingos, de 10 às 22 horas. Até 2 de maio.

Morgan da Motta
16.02.2004