Olhares à natureza

Cores em evidência: pintura recente de Juçara Costa, sobre novos suportes e com acrílica (foto Sérgio Coelho/Travessa)

Pinturas recentes de Juçara Costa inauguram a galeria Espaço Clean.
Ausente do circuito das galerias comerciais desde sua última individual, na Galeria Telemar, em 1997, ela retorna com vinte acrílicas sobre telas. São pinturas elaboradas nos últimos três anos.
Nome representativo da Geração 80, esta ex-aluna da Fundação Escola Guignard e da Universidade Commack, no estado de Nova Iorque (USA), reaparece em galeria do circuito comercial.
A belo-horizontina Juçara Costa tem atuação ampla, como professora, desenhista e pintora. Sua trajetória se renova a cada exposição. Ela usa e abusa dos diferentes suportes, com seus painéis, biombos, mandalas no formato original e hexagonal e até um saxofone recortado, como que flutuando no espaço.
Há também catedrais, na maioria das vezes sugerindo vitrais, numa composição de cores, luzes e lacunas que fazem contraponto com materiais e espaços preenchidos.
Descoberta pelo falecido colecionador Roberto Cohen, desde o início de suas atividades Juçara vem sendo reconhecida pela crítica especializada, por suas experimentações e inovações.
Por sua vez, Hector Casares, artista argentino que explora o pós-moderno marcado pelo fragmentário, é a atração do momento da Galeria Travessa. Ele expõe fragmentos de bromélias.
O artista carioca pesquisa elementos inusitados da natureza, à composição de suas pinturas, oferecendo sempre o aproach ecológico, mas sem cair no discurso do “eco-chato".
Sua marca principal corresponde à cor, composição, e acima de tudo, a textura. Partindo das bromélias fragmentadas, ele passa pelos frutos e insetos, realçando diferentes interferências que podem ser vistas sob dois ângulos. De perto, lembram fragmentos de naturezas mortas. À distância, os efeitos sugerem abstrações geométricas. São mangabas, jabuticabas e, principalmente, bromélias.
A mostra, desde sua exibição na Sala Burle Marx, no Rio de Janeiro, assume caráter itinerante, e tem sido vista em diferentes capitais fora do eixo Rio-São Paulo.
Completando o leque de sugestões da semana, a Victor Braga Rugendas Galeria de Arte apresenta, hoje e amanhã, todas as obras que estarão no Grande Leilão de Verão BHZ 2003 (Avenida Nossa Senhora do Carmo, 1650, segundo andar). O Leilão será realizado quinta-feira, no Espaço Imperador.
Entre os best-sellers ou raridades estão “Índia", de Portinari, “Mulata", de Di Cavalcanti, “Abstrato", de Arcangelo Ianelli, e duas preciosidades assinadas por Pedro Wingartner e Iberê Camargo.
Victor Braga alcança 26 anos de atuação, contabilizando 173 leilões e 24 exposições individuais pelo país.

Juçara Costa _ No Espaço Clean (Rua Alagoas, 438, Funcionários). De segunda a sexta, de 9 às 18 horas, e aos sábados, de 10 às 20 horas. Até o dia 28.
Hector Casares _ Na galeria Travessa (Rua Pernambuco, 1286, esquina com Praça da Savassi). De 10 às 22 horas, de segunda a sexta, e aos sábados, de 10 às 16 horas. Até o dia 24.
Grande Leilão de Verão _ Nesta quinta-feira, a partir de 21 horas, no Espaço Imperador (Avenida do Contorno, 8657, Gutierrez, ao lado do Pizzaiolo).

Morgan da Motta
17.02.2003