Cultura Trapalhadas & Roubalheiras

Pois é, depois da cutucada em termos de Cultura e Eleições e a trégua do Natal e Ano Novo chegou a hora e a vez das trapalhadas, lavanderias e curadorias pífias. Voilá...

O ex-secretário Estadual de Cultura, Angelo Oswaldo, depois de "plantar' notícias em vários jornais sobre a possibilidade de vir a ser Ministro da Cultura sabem o que aconteceu?

Foi condenado pelo Poder Judiciário dia 21 de dezembro de 2002, por improbridade administrativa durante seu mandato como prefeito de Ouro Preto.


A sentença, proferida pelo juiz da 1a. vara do município, Magid Lauar, indisponibilizou os bens do ex-secretário estadual de Cultura de MG e cassou seus direitos políticos por cinco anos. Ele também terá de ressarcir o patrimônio da cidade na base de importância corrigida e ainda por cima multa civil.


Enfim, o Ministério Público alega que o ex-prefeito, secretário etc. e tal causou lesão ao erário público em razão de gestão negligente de recursos financeiros, desvio e apropriação de bens públicos. Maiores detalhes no site do jornal O Tempo que publicou uma página no dia 22 de dezembro na página Política com o título Corrupção e o sub-título Novo governo vai rastrear improbridade. Fala-se que há outros processos em andamento no M.P.


LAVANDERIA
AS inúmeras brechas da Lei de Incentivo a Cultura tem permitido pessoas periféricas e desonestas fazerem uma verdadeira lavagem de dinheiro.Tem figurões e figurinhas em São Paulo, Belo Horizonte e no Rio "roubando e faturando" sob o pretexto de organizar megas mostras internacionais, criar espaços culturais e até museus de instalações luxuosas e acervos inexpressivos . Os mesmos que faziam algo para se promover e faturar agora na maior cara de pau partiram para a lavagem de dinheiro propriamente dita. Eu hein? Cadeia neles....


MAP
E a mostra de Arte Contemporânea do MAP (Museu de Arte da Pampulha)? Regulamento que visa antes de tudo, privilegiar uma panelona dos curadores e da medíocre diretora, restritivo e no ítem idade só aqueles nascidos no final da década de 60. Através da discriminação garantiu o lugar da esposa de um dos curadores do museu, amigos my amigos do outro e as comadres da diretora que continua sendo a maior piada em termos de diretora de museu. Aos artistas que perguntam o que fazer? Que tal uma ação no M.P., ou então, uma liminar já que a secretária municipal apesar de saber das trapalhadas da diretora nada faz ou queixa direta ao Prefeito Pimentel... A dona Priscila, devia estudar um pouco sobre pós-moderno, arte contemporânea a fim de não dar tanta gafe e bandeira. Desde os anos 70 mostras e salões de arte contemporânea lá são realizadas. Basta dar uma olhadela nos catálogos dos quais pelo menos um meia dúzia integramos júri e depois levamos premiados para a Bienal Jovem de Paris exatamente em 1974. E os curadores de meia tigela que a assessoram são os mesmos que tentaram algo em nível de curadoria no eixo Rio São Paulo e depois de vários anos de tentativa na condição de arrivistas e aproveitando a ignorância da diretora estão aprontando. Contem comigo e estamos dispostos até a pagar o advogado para acabar com esta situação caótica do Map. Se ela tivesse um pouco de simancol já teria renunciado. Vai ser imbecil assim no plus qui parfait...

Morgan da Motta
28.02.2003