Individual com sabor de retrospectiva


Escultura de Amâncio, na Galeria Copasa (Foto / Eduardo Rocha / Divulgação do artista)

José Amâncio de Carvalho, formado pela Fundação Escola Guignard com curso de especialização em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG-MEC), está apresentando, na Galeria de Arte da Copasa, uma exposição individual com sabor de retrospectiva. A trajetória do artista pode ser revista na mostra, que reúne esculturas e objetos, bem como um mega painel em pintura tridimensionado.

Enfim, as três décadas e meia desse pintor-escultor podem ser contempladas com esculturas e objetos de parede em chapa de ferro, latão moldado, bronze, metal soldado e madeira com acrílico.
Suas obras em metal, chapa de ferro e latão alcançam aspectos abstratos, geométricos e figurativos.

Por sua vez, a matriz para confecção em bronze do mega painel 'Nirvana', em exibição em madeira com acrílicas, num conjunto de 16 diferentes módulos, sem dúvida resulta num mega painel a ser elaborado em diferentes materiais.

Características principais do artista que trafega por diferentes técnicas e tendências: utilizar-se de todos os materiais possíveis e imagináveis recorrendo a soldagem, as dobras, ao 'ready-mades', partindo do figurativo até alcançar o geométrico e o neo-concreto.

Vernissages

Vencedor da concorrência pública para seleção artística 2005, a mostra do pintor e escultor Humberto Maia tem vernissage hoje, na Galeria Gustavo Capanema da Assem bléia Legislativa de Minas Gerais.
Em display, 26 telas em grande formato, em acrílica sobre lona vinílica, e 14 esculturas de médio e pequeno porte em bronze e técnica mista. A pesquisa de variações na técnica da pintura impulsiona a obra do artista. Assim como as demais peças, nas quais predominam esculturas figurativas.

No catálogo, a crítica Maria do Carmo Artantes assim se expressou sobre o artista: 'Ao observar o feito de espacialidade, tal como está representado nas pinturas, o espectador experimenta, de forma simultânea, a imagem do mundo existente na mente criativa de Humberto: a concepção mental e a execução pictórica. O resultado é surpreendente'.

Por sua vez, o arquiteto e artista plástico Luciano Gusmão escreveu: 'O gesto é onipresente, não de forma elegante em traço designativo, mas como furioso preenchimento. A superfície não possui vocação para fundo, nem para figura, nada está sendo composto ou delineado, posto em perspectiva, enquadrado. Se nenhum objeto concreto é representado, o que se expressa é emoção pura diretamente sobre o suporte. O artista aceita correr riscos. Nada se assemelha a nada, tudo pode se parecer com tudo'.

Souzanetto

Depois de uma década sem realizar uma mostra individual na cidade, Manfredo Souzanetto, artista mineiro radicado no Rio de Janeiro, depois de incursões pela Alemanha e França; retorna a Minas Gerais, onde tudo começou no final da década 60, com propostas peculiares em nível de instalação e esculturas, o que significa que aquele que teve como ponto de partida o desenho e a pintura, a partir de agora se fixa na criação de esculturas, objetos e uma instalação em nível dos tridimensionais.
Manfredo, que foi revelado na Grande Galeria da Reitoria da UFMG no final da década de 60, sob nossa curadoria, quando o RESUMO HOJE era denominado 'Destaques nas Artes', promete, através da individual que tem vernissage para convidados no Instituto Moreira Salles de Belo Horizonte, a síntese de toda sua trajetória.

Amâncio - A mini retrospectiva fica em cartaz na Galeria Copasa (Rua Mar de Espanha, 525, Santo Antônio), até o dia 10. Visitas diariamente, das 8 às 18 horas, inclusive sábados e domingos.

Humberto Maia - A individual do artista pode ser conferida na Galeria da Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais (Rua Rodrigues Caldas, 30, Santo Agostinho), de segunda a sexta-feira, das 8 às 20 horas, até o dia 15.

Manfredo Souzanetto - Propostas recentes do artista têm vernissage amanhã, terça-feira, das 19 às 22 horas, na sede Mineira do Instituto Moreira Salles (Avenida Afonso Pena com Praça 7). Fica em cartaz até o dia 16 de junho, com visitas das 10 às 18 horas, de segunda a sábado.


Morgan da Motta
04.04.2005