Caminho das Cores

Pintura de Márcio Santos, que expõe na Marcus Vieira Galeria de Arte (foto Luiz Costa)

Márcio dos Santos inaugura o calendário 2004 da Marcus Vieira Galeria de Arte, com sua primeira exposição individual. Trata-se de uma das melhores surpresas, em nível de artistas jovens e desconhecidos. Santos se sai muito bem deste seu batismo de fogo, na tradicional galeria que, normalmente, privilegia a escultura.
O pintor belo-horizontino está representado por monumentais trabalhos, na sua maioria apontados como inéditos. Criado entre 2002 e 2003, o lote veio direto do seu ateliê-residência, no bairro Vista Alegre, para a galeria do Alto Savassi.
É este o momento mais representante da fonte geométrica-construtivista deste artista que, desde o ano passado, freqüenta o Ateliê da Fundação Escola Guignard, onde é aluno da Patrícia Leite.
Outra mostra de destaque, sob o título “Ferro e Fogo", é a primeira individual de Eduardo Patto, dublê de economista e escultor. Autodidata, o escultor instiga o olhar e a capacidade de decifração do público, num conjunto que paira nos limites do construtivismo e minimalismo.
Dos seus objetos ou esculturas, saltam aos olhos volumes equilibrados dobrados e vazados, numa demonstração de que ele bebeu na fonte dos construtivistas e neoconcretos; no entanto, com linguagem própria e um conjunto altamente clean.
Sem dúvida, Patto faz seu debut surpreendentemente, de forma madura, pronto para integrar o núcleo dos artistas contemporâneos mineiros que trafegam pelo tridimensional.
Por sua vez, na exposição batizada “Osporquedascoisa", JB Lazzarini (que foi lançado no Resumo HOJE, promoção do HOJE EM DIA, no final da década 90) reaparece a partir de amanhã, com vernissage às 18h30, na galeria de arte Status.
A pluralidade de estilos faz deste mineiro de Conceição do Mato Dentro um dos mais experientes do chamado núcleo de talentos jovens.
Em contraste com as faixas ritmadas, características principais quando de sua estréia, agora ele comparece com formas distorcidas e trabalhos essencialmente expressionistas, mas sem se desligar por completo das fases geométricas e construtivistas.
No catálogo-convite, a historiadora e crítica de arte Guiomar Lobato assim se expressa sobre o artista e suas propostas recentes: “Com mão firme e apurado senso estético, começou pintando animais e florestas, dentro do estilo Pop-Art. A seguir, explorou o Pop Art Geométrico, conseqüência natural do seu domínio das linhas e das soluções cromáticas. Essa mesma segurança levou-o à Optical Art (Op Art), onde sua série ilusionista, de brincadeiras ópticas, é bem conhecida. intelectualmente falando, explode um amadurecimento latente que os críticos esperavam dele, tornando-se um dos expoentes da arte internacionalmente contemporânea que temos em Minas Gerais".

Márcio dos Santos _ Na Marcus Vieira Galeria de Arte (Rua Andaluzita, 80, Alto Savassi). De segunda a sexta, de 10 às 19 horas, e aos sábados, de 10 às 13 horas. Até o dia 30. Eduardo Patto _ Na Galeria da Travessa (Rua Pernambuco, 1286). De segunda a sexta, de 10 às 22 horas, e aos sábados, de 10 às 16 horas. Até o dia 14. JB Lazzarini _ Vernissage amanhã, a partir de 18 horas, na Galeria Status Café Cultura e Arte (Avenida Cristovão Colombo, 280, Savassi). Visitas de segunda a domingo, no horário comercial. Até 11 de junho.

Morgan da Motta
10.05.2004