Inverno quente


FOTOS: SANTO OFÍCIO/DIVULGAÇÃO-MM/
CAULE RODRIGUES/CRISTIANO QUINTINO


ESCULTURA (1) de Leandro Gabriel, Lorena D’Arc (2), auto-retrato (3) de Adão Rodrigues e “A Cartilha” (4)




Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS

Há de tudo um pouco: pinturas, objetos, esculturas e instalações. A maioria na terça, dia 7, passando pela individual de Mazzilli na quarta e, encerrando as atrações das artes visuais desta semana, a Mostra Santo Ofício 2007, numa produção de Heliane Moreira. Lá, além dos decoradores e paisagistas, teremos o quarteto do primeiro time da arte contemporânea mineira: Fátima Santiago e Leandro Gabriel (escultores), fazendo contraponto com os pintores Fernando Pacheco e Sandra Lima e Silva, essa última revelada na última edição do Resumo HOJE.
A junção de ambientes assinados por conceituados decoradores e um único paisagista versus Quarteto Contemporâneo composto por artistas plásticos mineiros que trafegam pelas esculturas e pinturas: eis a atração de quinta-feira, dia 9, na Mostra Santo Ofício 2007 de Decoração. No catálogo, assim escrevemos, sob o título “Quarteto Contemporâneo”: O que há em comum entre os escultores Fátima Santiago, Leandro Gabriel e os pintores Fernando Pacheco e Sandra Lima e Silva. Todos eles trafegam pela arte contemporânea e, por extensão, em interface com o que se cria em nível internacional. Fátima Santiago, explorando os ocos e vazados, trafega pelo neo-concreto, utilizando-se ora do aço inox ora do oxidado. Por sua vez, Leandro Gabriel, com megaescultura surreal, usa e abusa do ferro e dos resíduos industriais. Fernando Pacheco pinta sobre tecido (acrílica sobre linho cru), monumental tela quase painel, essencialmente expressionista, alcançando transparências com efeitos double-face com um único díptico. Sandra Lima e Silva, nos formatos médio e grande, verdadeiros protótipos para murais, utilizando-se de espaços estanques, conjuga o figurativo versus o geométrico e até o abstrato.
Sem dúvida, um quarteto de notáveis, unidos pela contemporaneidade.
Os decoradores que assinam os ambientes são Maria do Carmo Gomes, Mônica Salgado, Juliana Boechat, Patrícia Nicásio, Luciana Motta e Beatriz Lodi e equipe de estudantes de Design de Interiores da Faculdade Izabela Hendrix: Cláudia Soares, Flávia Kelly Coelho, Luciana Pires, Maria Letícia Ribeiro, Rinara Silveira e Rosângela Meireles, liderados pelos professores Marcos Nobree e Mozart Vidigal. Herly Hooper, que comemora seus 30 anos de carreira em nível de Paisagismo, assina este módulo.
Antes, amanhã, Lorena D’Arc, sob o título “Brincadeiras em Cerâmica”, mostra o que há de mais recente de sua produção, na Galeria de Arte do Fórum. Os objetos de Lorena dialogam com as questões de utilidade e inutilidade das coisas, dos signos de consumo e do mercado de arte. A artista é mineira, de São Domingos do Prata, bacharel em Artes Plásticas e pós-graduada em Ensino e Pesquisa no setor das artes plásticas da Escola Guignard, onde é professora de Cerâmica desde 1989.
Por sua vez, inspirado na cultura mineira, Adão Rodrigues apresenta uma exposição de pinturas que tem como mote principal o folclore - folias de reis, congados, cavalgadas, danças de quadrilhas, charolas e brincadeira que fazem parte da história do povo mineiro, com uma linguagem pictórica bem ao estilo popular.
Além de um único auto-retrato, obras inéditas, em sua maioria, estampam cenas que se deslocam como reminiscências da infância do artista, em Manhuaçu. De formação publicitária, Adão Rodrigues atua na área desde a década de 70 e trabalhou com todo tipo de comunicação visual, além de ilustração para livros didáticos. Estudou pintura com o pintor holandês Peter Wiemers e, a partir daí, se interessou pelo tema da cultura mineira, essencialmente as quase extintas manifestações da Zona da Mata.
Encerrando o leque de atrações nas galerias, quarta-feira é dia do vernissage de Domingos Mazzilli Júnior, a partir de 19h30 horas, na galeria da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa (Anexo Professor Francisco Iglésias). Ele é dublê de artista plástico e médico especialista em Psiquiatria de Medicina do Trabalho, com pós-graduação em História da Arte pela PUC; atualmente, faz graduação em Artes Plásticas na Escola Guignard-Uemg.
A temática de seu trabalho atual trata de questões da contemporaneidade, ainda que travestida em objetos antigos, requintados, ou bordados em tecidos nobres ou outros materiais luxuosos que ele tanto aprecia. “Após quarenta e três anos sou senhor de mim. Juntei todos os fios da minha vida e com as pontas desatadas, dei um único nó. Nesta amarra condenso vivências do interior, tradições católicas, tecidos da loja de meu pai, gosto pelo bordado herdado de minha mãe. Daí, me permitir ser um pouquinho de todos e não ser nenhum” - escreve o artista no catálogo da exposição.




Mostra Santo Ofício -
Vernissage quinta-feira, de 20 às 23 horas, na Avenida Getúlio Vargas, 872, Savassi. Visitas no horário comercial até o fim do mês de novembro.
Lorena D’Arc - Vernissage amanhã, a partir de 19 horas, na galeria de Arte do Fórum Lafayete (Avenida Augusto de Lima, 1549). Visitas de segunda a sexta, de 8 às 18 horas. Até 20 de setembro.
Adão Rodrigues - Vernissage amanhã, de 18h30 às 22 horas, na Rua Tupinambás, 956. Visitas de segunda a sexta, de 12h30 às 18h30. Até o dia 31.
Domingos Mazzilli Júnior - Vernissage quarta-feira, na galeria Professor Francisco Iglésias (Rua da Bahia, 1889) da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa. De segunda a sexta, de 8 às 20 horas, e no sábado, de 8 às 12 horas. Até o dia 28.



(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte, membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte e da Associação Internacional de Críticos de Arte (ABCA-AICA).Home Page: www.morganmotta.com. E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br


06.08.2007