Marina Jardim expõe novos trabalhos na seara da arte naïf



FOTO: DIVULGAÇÃO

A TELA “Casal e colcha de retalhos”, de Marina Jardim



Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS

A artista plástica Marina Jardim, uma das mais assíduas expositoras das nossas galerias, ora coletivamente ora individualmente, foi o nome escolhido para a reabertura da Onze Galeria de Arte, da escritora e artista plástica Esthergilda Menicucci. Através dos seus óleos sobre telas, Marina responde pelo título de uma das mais conceituadas artistas primitivistas das Minas Gerais.
No catálogo, assim escrevemos sobre ela: “Dotada de gosto e técnica refinados, o que há de mais recente de toda sua criação artística paira nos tênues limites do impressionismo e expressionismo, com sua pintura dinâmica e movimentada, cada vez mais depurada e sem o menor risco de cair no folclórico, como ocorre praticamente com a maioria dos naifs e primitivistas no geral”.
Com vernissage marcada para amanhã, terça-feira, dia 8 de maio, a partir das 20 horas, a mostra poderá ser visitada até o próximo dia 25 de maio. A Onze Galeria fica à Rua Palmira, 11, esquina com Praça Milton Campos, na Serra. Visitas de 10 às 18 horas, de segunda a sexta-feira, e aos sábados, das 10 às 13 horas.


LIVROS EM DESTAQUE
Amanhã, às 20 horas, a Galeria da Escola Guignard (UEMG), será lançado o livro “Celso Renato”, sobre a obra do artista plástico de mesmo nome, escrito pelo crítico de arte mineiro (radicado em São Paulo), Olívio Tavares de Araújo, da Editora CosacNaify. O livro faz parte do Projeto Microcity de Artes Plásticas. Na ocasião, no auditório da Escola, será realizada uma palestra com o autor do livro e com o crítico Márcio Sampaio. A Guignard fica na Rua Ascânio Burlamarque, 540, Mangabeiras. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone: 3282-3028 ou pelo site www.guignard.uemg.br
Já a veterana Yara Tupinambá lança nesta quarta-feira, dia 9, também às 20 horas, seu mais recente livro, ‘Caminhos de Minas‘, nos jardins da Fundação Clóvis Salgado/Palácio das Artes (Avenida Afonso Pena, 1.537). Os dois lançamentos abalizam a trajetória destes dois notáveis ex-alunos do mestre Guignard.
No Porcão (Avenida Raja Gabaglia, 2.985, São Bento - Fone: 3293-8787), que atua como uma galeria de artes alternativa, desde a noite de ontem, trabalhos de Thelma Quevedo e Elisa Pena podem ser apreciados pelo público freqüentador do espaço. As obras de Thelma Quevedo podem ser vistas até o dia 3 de junho, enquanto as de Elisa, até o dia 1º de julho. E a partir de hoje, na tradicional Casa dos Contos (Rua Rio Grande do Norte, 1.056, Savassi - Fone: 3261-5853), será aberta a mostra individual “Mulheres de Oliver”, numa tripla curadoria de Glauco Moraes.


(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte, membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte e da Associação Internacional de Críticos de Arte (ABCA-AICA).Home Page: www.morganmotta.com. E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br

07.05.2007