Eymard Brandão na Semana do Meio Ambiente X Leonora Weissman individual in S.P.





FOTOS: DIVULGAÇÃO


1 e 2 - Eymard Brandão e propostas recentes, que tem vernissa amanhã

3 - Leonora Weissmann, destaque com suas pinturas quase fotografias ou registros fotográficos contemporâneos



Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS


Individual de Eymard Brandão abre a programação da Semana do Meio Ambiente,, no Centro Mineiro de Referência em Resíduos – CMRR – Projeto “Arte em Resíduos”, amanhã, às 19,30 horas. Por sua vez, Leonora Weissmann, revelada sob nossa curadoria na edição do Resumo HOJE na década de 90, realiza sua primeira individual em São Paulo, na Galeria Horizonte na Vila Nova Conceição, na próxima segunda-feira em São Paulo. Por fim, a tríplice mostra de fotografias – Onde a Água encontra a Terra, em cartaz até o dia 27 de junho no Centro de Arte Contemporânea e Fotografia da Fundação Clóvis Salgado ( antigo Centro Cultural Unibanco da Afonso Pena ), ganha encontro mediado pelo curador da exposição, Paulo Herkenholff, dia 9 de junho – quarta-feira – na Sala Juvenal Dias, às 19 horas.É aquela excepcional coletiva que reúne a norte americana Carol Armstrong e os brasileiros Fernando Azevedo e Leonardo Kossoy.Vale a pena ver de novo o trio, bem como a palestra debate.

Eymard das experimentações aos resultados com novos meios

O Centro de Referência em Resíduos, abriga a partir de amanhã, 30 painéis resultantes do que há de mais atual de sua criação e pesquisas.Trata-se de projeto que foi uma proposta da Fundação Estadual do Meio Ambiente – FEAM – com patrocínio da FAPEMIG (Fundação de Amparo à isa Pesquisa de Minas Gerais),através de”Arte em Resíduos”ele encontra então, trabalhando com determinado tipo de sucata de cobre, usada para aumentar a resistência do aço à corrosão, areia de canal, que em fornos de alta temperatura é usada no canal de guza nos escoamentos e vai por aí afora.Enfim, limalhas diversas, pó de coletor, grafie PS, pó de jateamento, etc.Fica claro que com isto não houve nenhum radicalismo de mudança em seu trabalho, no entanto, com domínio dos novos meios de expressão, Afinal de contas, Eymard acredita que tais painéis de alguma forma, inauguram novamente tanto o olhar do expectador quanto o do autor.

Como se sabe, resíduos são sobras de processo, mas que podem ser valiosos.Podem ser reciclado ou reaproveitados como matéria prima ou insumos, o que vem revelando, cada vez mais, seu potencial de agregar valor.Enfim, os resíduos não devem ser objeto de preconceito por já terem passado por etapas do ciclo de vida, ao contrário, de respeito, como deve ser respeitado o conhecimento acumulado no passado.Por fim, é necessário saber que do pó de coletor, gerado de altos fornos, ele obtém a cor preta, sendo que da sucata de cobre, alcança a cor avermelhada, sendo que a escória de alto forno gerada do ferro gusa é que vem a cor acinzentada que, misturada com pigmentos e tintas acrílicas, oferece excepcionais resultados visuais e de maior fixação.No folder convite textos de Thomaz Salles, José Cláudio Junqueira Ribeiro, Beatriz Lemos de Sá e Sara Ávila, respectivamente arquiteto, presidente da FEAM, galerista e professora e artista plástica, dando maior ênfase o fato de que em tempos de conscientização ecológica, o que é politicamente correto, qualquer refugo de ferro pode e deve ser usado em interface com vários projetos, diferentes suportes e por que não/ nos mais variados níveis.

-Individual de Eymard Brandão, no CMRR, pode ser visitada de 9 de junho a 8 de julho, à Rua Belém, 40 – Bairro Esplanada.Visitas de segunda a sexta-feira das 9 às 18 horas.Visitas de grupos devem ser agendada pelo fone: 34651200.O evento conta com o apoio culturalde FAPEMIG, FEAM, Servas, Cauê, Lafarge, Votorantim, Holcim e até o Governo de Minas.

Floresta encantada de Leonora

Sob a curadoria de Agnaldo Farias, um dos inúmeros curadores da próxima Bienal de São Paulo e curador do Instituto Thomie Ohtake, Leonora Weissman, tem seu batismo de fogo em termos de galerias de São Paulo, com a série Leonora Weissman – Florestas Encantadas. Enfim, depois do Resumo HOJE, prêmio Fiat através de coletiva com o apoio cultural também em S.P., ela revela-se conceituado nome da pintura jovem contemporânea, com um conjunto que paira nos limites da fotografia e do hiperealismo. Dai, recomendamos com entusiasmo aqueles que irão a Sampa no período de 14 de junho a 30 de julho,.Local: Galeria Horizonte, rua João Lourenço, 79, na Vila Nova Conceição.

Palestra-debate

Por fim, não se esqueçam da palestra-debate mediada pelo crítico de arte e curador Paulo Herkenhoff, na quarta feira, na Sala Juvenal Dias, no Palácio das Arte, a partir das 19 horas.Faz parte do programa paralelo da excepcional mostra de fotografias ora em cartaz, na Afonso Pena, 737, no Centro de Arte Contemporânea e Fotografia, da Fundação Palácio das Artes.P..P. A mostra em si fica até o dia 27 de junho.


(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte, membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte e da Associação Internacional de Críticos de Arte - Orgão da Unesco.
Home Page: www.morganmotta.com
E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br


07.06.2010