ARTES VISUAIS - MORGAN DA MOTTA(*) - VISUAIS: 07.10.2013 – MULHERES ARTISTAS NA COLEÇÃO DO POMPIDOU INAUGURA CCBB-BH MINAS GERAIS

SOB CURADORIA DE Emma Lavigne e Cecile Debray, o mais novo Centro Cultural Banco do Brasil está inaugurado e inserido no Circuito Cultural - Praça da Liberdade desde o dia 28 de agosto, onde fica em cartaz até o dia 21 de outubro. NOS CAMINHOS DA MOSTRA SOB ÓTICA FEMININA, reúne pioneiras, vanguardistas, modernistas-e-contemporâneas trafegando por todas tendências e suportes. São 120 propostas criadas por 65 artistas entre 1907 e 2010 em diversas linguagens, incluso vídeos , instalações e performances. Todas as obras integram o acervo do Centro Georges Pompidou, um dos mais conceituados e maiores museus da Europa.

Proposta de Suzanne Valadon: Quarto Azul.

Auto-retrato de Frida Kahlo.

TORNAR-SE UMA ARTISTA homenageia a pioneira Sonia Delaunay (1885-1979). Subdividida em 3 sub-seções, os módulos homenageiam a portuguesa Maria Helena Vieira da Silva com referência à parte do insconsciente. Lá estão as surrealistas Marie Laurencin, Dorothea Thanning e Germaine Dulac. Na sequência, Retratos Questionando o Gênero, com trabalhos de Valerie Belin, Suzanne Valadon e Pipilotti Rist. Por sua vez, em termos de Abstração – Colorida e Excepcional - propostas abstratas "au grand complet": Louise Bougeois, Joan Mitchel e Maria Helena Vieira da Silva. Na faixa das coloridas, por sua vez, estão Marthe Wéry e Aurelie Nemours. Já em Espaços Infinitos, lá estão Genevieve asse e Vera Molnar. Com relação ao Feminismo e a Crítica do Poder, Sônia Andrade, seguido de Espaço Doméstico e Reflexão. Com relação à Enfrentando a História com propostas de Anna Maria Maiolino, Ana Bella Geiger e Letícia Parente. Finalmente, Musas contra o Museu, Guerilla Girls, cujo painel original ou recorte vimos na Bienal de Veneza e no próprio Centro Pompidou. Fala-se que o do CCBB-BH foi produzido no Brasil.

ABORDANDO O CORPO reúne obras de minhas preferidas Nan Goldin e Regina José Galindo. Ainda em nível de contestadoras, admiro muito Diane Arbus, bem como a francesa Annete Messager com seus bichos de pelúcia fazendo "pendant" com genitálias masculina e feminina... Voltando às Narrativas, chamam atenção Sophie Calle e as brasileiras Rosângela Rennó e Rivane Neuenschuander. Finalmente, realçamos as presenças das brasileiras Lygia Clark e Lygia Pape que, sem dúvida, continuam sendo as maiores referências brasileiras em Bienais Internacionais pelo mundo afora. Voltaremos ao LABIRINTO em homenagem aos 90 anos de nascimento de Fernando Sabino que, sem dúvida, trata-se da mais abrangente e à altura da data de aniversário. Destaque maior no pátio interno do CCBB – Minas Gerais.

(*)Morgan da Motta é jornalista, cineasta e crítico de arte, membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA) e da Associação Internacional de Críticos de Arte – AICA – órgão da UNESCO – PARIS.BLOG: www.morganmotta.com e e-mails: mmotta@morganmotta.com e contato@morganmotta.com