Circuito das Galerias



Foto1: *Objeto cinético de Abraham Palatinik* Crédito: SÉRGIO GUERINI

Foto2: *São João Baptista, de Guignard* Crédito: ATHENA

Foto3: *"Icarus", de Vik Muniz* Crédito: GFV

Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS


Além das galerias mineiras _ Celma Albuquerque Galeria de Arte, Galeria Murilo de Castro, Leo Bahia Arte Contemporânea e Manoel Macedo Galeria, lá estão galerias de arte da Argentina, do Uruguai, Chile, Portugal, Espanha e Alemanha.

Conforme esclarece a idealizadora do programa, Fernanda Dinamarco Feitosa, a participação internacional dos estrangeiros não prejudicou o mercado brasileiro; ao contrário, significa a globalização e abre novos horizontes para todos. Além disso, buscamos também expandir o leque de atrações, oferecendo programa cultual com debates com pessoas do cenário acadêmico e artístico, além de um programa educativo com o Museu de Arte Moderna de São Paulo.

Voltando às galerias e marchands participantes: além dos acima citados, estão presentes conceituadas galerias do Porto Alegre, Salvador e Recife.

Nos caminhos da Feira de Arte Internacional de São Paulo, os destaques maiores e best-sellers foram os seguintes: Anita Schwartz, do Rio, com esculturas recentes de Abraham Palatnik, objeto de conceitual Carlos Zílio; Arte en Dobro, com propostas de Walton Hoffmann e Paula Gabriela (Rio); Athena Galeria de Arte (Rio), com uma raridade em termos de Guignard datado de 1933, e Lygia Clark, de 1956.
Por sua vez, a Bolsa de Arte de Porto Alegre, com objetos de Patricio Farias e pinturas de Iberê Camargo; Casa Triângulo, de SP, com instalação de Sandra Cinto, e a mineira Celma Albuquerque, com José Bento e Ana Maria Maiolino.

Outro destaque é a Baginski, de Portugal, com seus representados Cecília Costa, Carlos Corrêa e Daniel Milhão.

Já a galeria Bergamin (SP) chamou atenção pelas raridades de Guignard e Antonio Bandeira, respectivamente datadas de 1961 e 1954. Mesmo caso da Brito Cimino (SP), com os contemporâneos Caio Reisewitz Rochele Costi, Saint Clair Cemin e o modernista Waldemar Cordeiro.

Finalmente, a galeria Aninat do Chile com Cristiana Abelli e Roberto Matta; Fortes Vilaça de S.P. com o brasileiro radicado em Nova Iorque Vik Muniz, Leda Catunda, Luiz Zerbini e Ernesto Neto; Galeria Horizonte (SP), com os mineiros Mário Zavagli e José Bento; Jean Boghici, do Rio, com Antonio Dias, Lasar Segall, Lygia Clark, Wesley Duke Lee e Victor Brecheret; Galeria Luiz Adelantado de Valencia (Espanha e Miami), com Priscila Monge e Anthony Golgolea; Mariana Moura, com Gil Vicente e Marcelo Silveira, do Recife; Leo Bahia, de BH. com Randolfo Rocha, que vai ganhar sala especial no próximo Resumo HOJE, e Marcelo Moscheta e Manoel Macedo, também de BH, com Amílcar de Castro e José Resende.

Encerrando: Galeria Marcia Barrozo do Amaral, com Franz Krajcberg e João Carlos Galvão, do Rio; e Mercedes Viegas (RJ), com Nelson Leirner, Amgelo Venosa e Everardo Miranda; Monica Filgueiras (SP) representada pelos contemporâneos Camille Kachani, Florian Raiss e Raquel Kogan; sendo que a Paulo Darzé de Salvador foi best-seller com as excepcionais fotografias de Mário Cravo Netto e a Ricardo Camargo (SP), com Aldo Bonadei, Guignard, Victor Brecheret (modernista) e contemporâeo e mineiro Paulo Laender, presente também com individual na galeria paulista que fica nos Jardins.

Quanto à Sur do Uruguai, da mesma forma que a edição anterior, Torres Garcia domina todo o seu espaço.


(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte. Home Page: www.morganmotta.com. E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br)

08.05.2006