Mistura de talentos


FOTO: DIVULGAÇÃO/ROBERTO ROCHA

Óleos sobre linhos “Eva” (1) e “Velasquez” (2), de Pedro Guedes; trabalho em madeira, couro, grafite e pedra (3) de Flávio Augustus, e escultura (4) de Chico Baumecker



Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS


A Galeria Objeto Singular apresenta individual de Pedro Guedes, que trafega pela pintura sobre linho, depois de amanhã, dia 10, reunindo o que há de mais recente de toda a sua produção.

A propósito, assim escrevemos para o texto de parede e catálogo: O Espaço Objeto Singular (Antiquário e Galeria de Arte) abriga nesta quarta-feira, a primeira individual de Pedro Guedes em Belo Horizonte. Nascido em Juiz de Fora, em 1965, onde desde fins da década de 80 se estabeleceu como professor e artista plástico, integra notável núcleo de artistas contemporâneos brasileiros.Coletivas e individuais realizadas no eixo Rio e São Paulo o levaram a outros espaços expositivos no exterior, inclusive na França e na Suíça, onde tem mercado desde a décadas de 90.
Graduado em Propaganda e Publicidade, atraído pelo desenho, atualmente trafega pela pintura sobre o tecido linho, sendo que a base da sua pintura é o desenho bem elaborado. Além disso, cria e renova esquemas neo-clássicos com motivações surrealistas e, por extensão, hiperrealistas.
Suas referências maiores são Diego Velásquez, passando por Salvador Dalí e René Magrite, bem como Edward Hoper. Dono de uma técnica irrepreensível, ele mistura em um clima surreal figuras humanas e paisagens. Enfim, temas diversos, confundindo o expectador que, no geral, acaba não distinguindo realidade e fantasia.
Sem dúvida, ele explora a “Art-about-Art”, numa linguagem bastante pessoal, similar às propostas criadas pelos papas da pop-art, conforme aquela mega mostra coletiva realizada no Museu Whitney de Nova Iorque.
Aqui, em Belo Horizonte, o artista é exclusivo da Galeria e Casa de Leilões Errol Flynn, sendo que integra vários acervos particulares e oficiais. Com padrinhos como o casal Regina Delclyr da Costa, o marchand Errol Flynn e Yara Tupinambá, Pedro Guedes firmou-se como um artista de sua geração em bases sólidas.
A primeira individual de Pedro Guedes tem vernissage às 20 horas de quarta-feira, no Antiquário e Galeria de Arte Objeto Singular da Rua do Ouro, na Serra. Visitas de segunda a sexta, de 10 às 18 horas, sendo que aos sábados funciona de 10 às 13 horas. Em termos de vernissage, é o destaque maior em Artes na Semana.
Mudando de galeria, a junção de duas individuais dos artistas Flávio Augustus Mattos e Chico Baumecker resulta numa das mais instigantes duplas-mostras, dentre inúmeras em cartaz. Sob os títulos “Relevos” e “Labirintus”, homenageiam o pintor Pedro Augusto, recentemente falecido e de quem foram alunos na Escola Guignard UEMG.
Utilizando-se de diferentes técnicas em seus objetos no estilo “Box-Form”, utiliza-se de diferentes suportes e técnicas como pinturas, desenhos e gravuras que dão vida às obras da exposição “Labirintus”.
A mostra traz 15 objetos expostos nas paredes e no chão, que retratam universos encobertos pelo introspectivo do ser humano, como se estivessem aprisionados em labirintos.Recorrentes imagens do corpo humano, fragmentos, palavras e símbolos que expressam se4sexualidade preenchem finitos espaços, estimulando o imaginário do leitor para diferentes interpretações.
Por sua vez, em “Relevos”, Chico Baumecker reúne dez esculturas em madeira, que variam de 40 cm a 1,5 m de altura. Utilizando a técnica de esculpir na madeira em talha, o artista retira figuras abstratas, na forma retorcida, com relevos polidos e entrecortados que permitem diferentes sensações.
Na maioria das vezes, suas propostas direcionadas ao olhar das pessoas para formas não inserida no cotidiano, proporcionam diversas possibilidade de visão. Assim se expressa Baumecker sobre sua fase atual: “Quando começo a esculpir, não parto de um desenho pré-estabelecido, deixo-me envolver pelo processo de criação e chego a um formato. O resultado leva a um mundo desconhecido, que mostra o inusitado através de desenhos palpáveis. Ele permite que o público possa tocar as obras para sentir - interação - as diferentes sensações provocadas em nível de texturas.Flávio Augustus, nosso primeiro contato foi há quase 20 anos passados, na antiga e que não existe mais Galeria de Arte Telemar, sendo que quanto a Chico Baumecker resulta de contato mais recente.
Ambos têm graduação e pós graduação em Artes Plásticas pela Escola Guignard.
Enfim, pelo nível de suas propostas tridimensionais, surpreendentes pelas experimentações e pesquisas, nós convidamos a dupla dinâmica para a próxima edição da coletiva “Tridimensional na Arte Contemporânea”, a ser realizada sob nossa curadoria em 2009.

“Relevos e Labirintus” são realizadas no Espaço Cultural Galeria de Arte da Copasa. Visitas até o dia 28 de setembro, no horário comercial, de segunda a sexta à Rua Mar de Espanha, 525, bairro Santo Antônio.


(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte, membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte e da Associação Internacional de Críticos de Arte - Orgão da Unesco.
Home Page: www.morganmotta.com
E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br


08.09.2008