"Resumo Hoje" chega à 40ª edição apresentando artistas arrojados.

Tradição e ousadia

01 - Objeto da série "Insetos e aracnídeos" por Carlos Lima.
Foto: Cristiano Quintino

02 - Spray sobre tela de Ramon Martins
Foto: Divulgação

03 - Heloísa Etelvina
Foto: Carla Diniz Cirino

04 - Info-Gravura de Binho Barreto
Foto: Divulgação do artista

05 - Acrílica sobre tela de Sandra Regina dos Reis L. e Silva
Foto: Divulgação

Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS

Hoje, estamos divulgando aqueles que mais se destacaram nas artes visuais no ano passado. São instituições e equipes, desdobradas em três módulos: "O Universo do Colecionador", "Artistas Convidados (Talentos Emergentes)" e "Exposições do Ano", contemplando uma mostra individual e outra coletiva. Em setembro, todos eles estarão em display, em promoção do HOJE EM DIA, sob nossa curadoria. Trata-se da 40ª edição do "Resumo HOJE", em décadas anteriores apresentado na Grande Galeria da Reitoria da UFMG, no MAP, na Grande Galeria do Palácio das Artes, na Grande Galeria da Telemar e no Museu Mineiro - sem dúvida, um recorde, em termos de exposição coletiva realizada, ininterruptamente, por quatro décadas.

No módulo "Artistas Convidados (Talentos Emergentes)", Carlos Lima Goulart Drummond, revelado na mostra individual "Insetos e Aracnídeos", no Museu de Ciências Naturais da PUC, trafega pelo tridimensional. Utilizando pedaços de arame e até cobre, ele brinca e cria animais conjugados e fragmentados. Sua arte não brota por acaso: mais que um dom, é a necessidade de expressão. No mesmo módulo está Kleber Barreto, artisticamente Binho Barreto, nascido em Belo Horizonte, em 1974. Seus primeiros estudos na área foram em 1990, no Inap, onde fez os cursos de Desenho, Desenho Artístico e Publicitário. Dali, ele partiu para a Fafi (hoje Uni-BH) e à faculdade de Publicidade e Propaganda, onde ficou por dois anos e meio. Barreto também estudou Filosofia na UFMG, por dois anos. Atualmente, cursa Artes Plásticas na Fundação Escola Guignard.

Como artista plástico, a maior conquista de Binho Barreto foi aperfeiçoar uma linguagem única, com traço pessoal e original. Versátil, explorou o grafite por vários anos, tendo sido revelado não só como expositor ("American Graffiti", Palácio das Artes, BH, e 4ª Mostra de Graffiti de Santo André, SP), mas como Ilustrador e arte-finalista. Por sua vez, Heloísa Etelvina Fonseca, nascida em Belo Horizonte, em 1981, graduada em Gravura e graduanda em Desenho pela Escola de Belas Artes da UFMG, bolsista do PID (Programa de Indicação à Docência), apropria-se de ambientes e móveis, acrescentando suas gravuras nos mais variados suportes: na base da instalação, nos livros e até fragmentadas e conjugadas, alcançando o conceitual atrelado à instalação.

Assim se expressa a artista Sandra Regina dos Reis L. e Silva sobre suas propostas: "Tudo o que me impressiona ou desperta minha curiosidade serve como pano de fundo para iniciar o trabalho, bem como dar título à obra. Transformo o assunto escolhido em signos, posteriormente utilizo recortes sucessivos sobre a tela com máscaras recortadas manualmente. Toda a vivacidade da obra é expressa com cores fortes, quase puras".

Finalmente, completando o módulo "Artistas Convidados (Talentos Emergentes)", Ramon Martins, nascido em São Paulo, em 1981. Ele cria e vive em Belo Horizonte, onde cursa o 8º Período do Curso de Artes Plásticas da Fundação Escola Guignard. Integrante do Projeto Guernica desde 1999, atua como supervisor da Oficina Guernica-Dom Quixote no CMP, em Belo Horizonte. representante do Brasil na Rede Urb-Al, Juventude Participação Cidadã - Práticas Formações e Ações, desde 2002, Martins esteve nos encontros de 2003, na França, e 2004, na Bélgica. Artista multimídia, trafegando pelo desenho e a pintura, ele foi revelado na mostra coletiva "Mas Isto Também É", na Galeria Léo Bahia Arte Contemporânea.


(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte. Home Page: www.morganmotta.com. E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br)

13.02.2006