Natureza em movimento


FOTOS: ADEMIR NASCIMENTO/DIVULGAÇÃO-RV/ELDERTH THEZA

Caroços e minério representados por abacates (1), de Roberto Vieira; “Criança Feliz” (2), de Elderth Theza, e desenhos de mãos (3) feitos por Sérgio Vaz



Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS

Considerado um dos principais vanguardistas (leia-se experimentalista, dentre os chamados da geração intermediária) no eixo Juiz de Fora-Belo Horizonte e, mais recentemente, Alagoa-MG - sim, tem Alagoa sem “s” nas Minas Gerais -, Roberto Vieira desta feita revela diferentes etapas da produção artística, em sua individual na galeria da Escola Guignard.

Sem dúvida, com o conjunto ora em display, ele firma-se como artista de carreira mais sólida entre os seus pares da chamada geração intermediária. Em sua trajetória, a terra inegavelmente é material extremamente integrado ao trabalho que desenvolve.
Nesta mostra, diversificados objetos de nossa sociedade de consumo são revestidos pela terra. E a terra que, arqueologicamente, envolve os objetos a serem expostos, também está dentro de caixas ou ocupando tridimensionalmente as paredes da galeria.
Outra forma de expressão utilizada por Vieira é por ele denominada “Sistemas”, como por exemplo, a interferência realizada em frutas, de onde retira caroços de abacates, substituindo as sementes por minério de ferro. Daí, algo invisível é materializado em madeira, pedra, terra, metal, barro e inúmeros outros materiais que são redescobertos pelo olhar do artista e seu processo de criação.
Entender ou compreender sua arte envolve, essencialmente, conhecer alguns aspectos da usa vida pessoal e, por extensão, da trajetória em nível de experimentações, o que às vezes confunde os menos esclarecidos.
Outra mostra de destaque, “Simples Cidade” reúne fotografias de Elderth Theza, de 29 anos, que trabalha há quase sete anos como foco principal na cobertura de programas e fotografias técnicas para peças publicitárias na Zona da Mata. Dentre os vários eventos que costuma cobrir, Theza desenvolve trabalho paralelo onde faz registro do povo e seu cotidiano e nos apresenta um raio X atualíssimo daquela região mineira. Simplesmente, isso surge de um processo natural, sem maiores pretensões, em que o fotógrafo diz ser espécie de autoretrato.
Sem exagero nenhum, são excelentes as 35 fotografias de sua cidade natal, Raul Soares, nos distritos de Bicuída e São Vicente da Estrela.
Finalmente, “Vazio-Cheio”, de Sérgio Vaz, vai ser o único vernissage da semana, exatamente a partir de 20 horas de quinta-feira, na galeria da Cemig. É uma exposição caracterizada pela alternância de extremos - claro e escuro, ausência e presença, morte e vida, apatia e reação coexistem em um mesmo espaço.
Para o expositor, os desenhos em grafite estão carregados de expressividade, em contraposição ao espaço em branco que os envolve, ao mesmo tempo em que são cheios de vida, anestésicos, estáticos...
As obras de Sérgio Vaz, seus contornos, suas sombras e suas expressões deixam o público em dúvida se se trata de uma fotografia ou realmente de um desenho, pois o artista faz uso do hiper-realismo: os corpos reconstruídos se aproximam da existência, como se tivessem identidade.As parte, mãos e cabeças, se mostram tão marcantes quanto o todo, os corpos.Sérgio explica que a busca pela perfeição nos traços tem por finalidade anular o movimento e trabalhar apenas a figura humana como carne.A intenção é produzir no espectador uma questionamento quanto ao estado em que o corpo ou a parte se encontra: está vivo ou morto?

Roberto Veira - Na galeria da Escola Guignard (Rua Ascânio Burmalamaque, 540, Mangabeiras). Visitas de segunda a sexta, de 9 às 22 horas, e aos sábados, de 9 às 12 horas. Até o dia 30.
Elderth Theza - Na galeria do Sesc (Rua Tupinambás, 956), de segunda a sexta, de 12h30 às 18h30. Até o dia 27.
Sérgio Vaz - Vernissage na quinta-feira, na galeria Cemig (Avenida Barbacena, 1200). Visitas de segunda a sexta, de 8 às 19 horas. Até 9 de julho.



(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte, membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte e da Associação Internacional de Críticos de Arte (ABCA-AICA).Home Page: www.morganmotta.com. E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br

16.06.2008