Imaginação em cores


FOTOS: JUNINHO MOTTA/ELZA SENA/DIVULGAÇÃO/RMM

DESTAQUES: acrílicas sobre telas (1,2) de Miguel Gontijo; “Ampulhetas” (3), de Luiz Lopez, e pintura (4) de Regina Matta Machado



Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS

Miguel Gontijo, um dos notáveis da pintura contemporânea mineira, apresenta individual com o que há de mais recente de sua criação, na Casa dos Contos de Ouro Preto. Sob o título “Manual de Instruções”, cada vez mais metafísico e intelectualizado, ele ousa e ao mesmo tempo brinca com a imaginação dos visitantes. Pairando nos limites do expressionismo e do surrealismo, sem fazer maiores malabarismos, atinge até o conceitual.
A propósito, ninguém como Leugim Ojitnog (leia-se Alter Ego), sintetizou tão bem suas propostas. Assim ele escreve no catálogo: “... Para ler um trabalho de Miguel Gontijo é necessário observar: espaço deixado em branco, figura acrescentada por outro autor; leitura conjuntural; notas de rodapé com variantes sub ou sobrepostas; a fenda, a fissura a falha e o rabo e o ferrão do ornitorrinco. Respeite inteiramente a imagem original, tendo em conta que as imagens apresentadas não ultrapassam, em geral, o estado de rascunho. Porém, você pode passá-las a limpo, isto é, corrigindo lapsos evidentes de proporções e perspectivas; desdobrando as abreviaturas”.
Sem dúvida, um manual de instruções se faz necessário...
A Casa dos Contos de Ouro Preto foi construída em 1782, como residência do contratador João Rodrigues de Macedo, uma das maiores fortunas da Colônia no século XVIII e, certamente, eminência parda da Inconfidência Mineira. Atualmente, além da disponibilidade para a investigação profunda do acervo, conta com salões destinados a conferências e exposições temporárias, criando uma perfeita simbiose com as artes e culturas atuais, atividades incrementadas com a participação da Universidade Federal de Ouro Preto.
Enfim, além de checar a produção do expositor, paralelamente, permite fazer uma visita nos diferentes espaços físicos, o que proporciona verdadeira aula de história, de acordo com Miguel ou Leugim seu alter ego...
Aqui, em BH, outra mostra de destaque é a de Regina Matta Machado, sob curadoria de Pedro Rabêlo, na galeria de exposições do Hotel Mercure, em Lourdes. Na individual “Luz da Noite”, Regina apresenta 20 propostas utilizando-se da luz negra, nos levando a conhecer um dos campos mais belos da abstração surrealista, onde só a Luz da Noite pode chegar e só com um clique. Basta esse clique e a luz negra joga toda a sua energia sobre a tela, mostrando um mundo novo, desconhecido, fantástico e infinitamente experimental. Ela usa acrílica, óleo e tinta florescente, obtendo resultados diversos.
Por sua vez, Luiz Lopez, mineiro de Cataguazes, graduado na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, é o expositor do momento na Agnus Dei Galeria de Arte. Bastante conhecido no Rio de Janeiro, em São Paulo e cidades do interior de Minas, pela primeira vez faz uma individual em Belo Horizonte. Sua exposição reúne 30 propostas recentes em técnica mista - vinil e acrílica sobre tela.
“Alguns trabalhos caminham para a abstração, como se fossem, mesmo que de forma inconsciente, uma linha que faz a sutil ligação aos meus trabalhos anteriores”, considera o artista.
Mudando de conversa, o Congresso da Associação Internacional de Críticos de Arte, depois de 47 anos, volta a ser realizado no Brasil, exatamente em São Paulo. O primeiro deu-se em 1959, às vésperas da fundação de Brasília.
Os membros da ABCA-AICA interessados em participar podem fazer suas inscrições pelo e-mail “congressoaicausp.br”, devendo enviar currículo acadêmico ou profissonal em dez linhas, até 30 de julho.
Espera-se debate amplo e inteiramente livre, como ocorreu no anterior. Na condição de membro da ABCA-AICA, há 41 anos temos idéias para serem debatidas.


Miguel Gontijo -
No Salão de Exposições Temporárias (Rua São José, 12, Ouro Preto). Às segundas, de 14 às 20 horas, e de terça a sábado, de 10 às 20 horas. Até 8 de julho.
Regina Matta Machado - Na galeria do Hotel Mercure (Avenida do Contorno, 7.315, Lourdes), de segunda a sábado, em horário comercial.
Luiz Lopez - Na Agnus Dei Galeria de Arte (Rua Santa Catarina, 1155, Lourdes), de segunda a sexta, de 9 as 18 horas, e aos sábados, de 9 às 13 horas. Até 2 de julho.


(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte, membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte e da Associação Internacional de Críticos de Arte (ABCA-AICA).Home Page: www.morganmotta.com. E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br


18.06.2007