Acervo mineiro


FOTOS: DIVULÇÃO/ACERVO NEWTON PAIVA

1 - Pintura de Mário Mariano
2 - Obra de Chanina
3 - Pintura de Farnese de Andrade
4 - Obra de Selma Weissmann
5 - O cavalo e cavaleiro reciclados de Léo Piló
6 - Objeto achado ao acaso e construído na técnica da
reciclagem segundo o artista plástico Piló.



Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS

Após circular pelas cidades de Montes Claros, São João del-Rei e Tiradentes, o ficará exposto até 8 demarço no Salão de Exposição doMuseu Casa dos Contos, com uma mudança de estrutura e a apresentação de novos artistas. A iniciativa
faz parte do projeto “Mostrando a Arte em Minas”, aprovado pela Lei de Incentivo à Cultura e com o patrocínio da Cemig. Sob a curadoria de Yara Tupynambá, dentre as 150 obras do acervo, selecionou novas propostas, que contam o desenvolvimento das artes plásticas em Minas Gerais, desde 1944, quando aqui chegou o mestre Alberto da Veiga Guignard e inicia o processo de renovação das artes visuais no Estado. De caráter itinerante, contará ainda com a inclusão de peças de Farnese de Andrade, Maria Helena Andrés, Olmpia Couto além de participação dos artistas ouropretanos, Roberto Sussuca e Fani Bracher.
O prédio doMuseu Casa dos Contos de Ouro Preto, é umdosmais amplos, belos e suntuosos monumentos do BarrocoMineiro. Construído entre 1782 e 1784, servia de residência e casa dos contratos do arrematante da Arrecadação Tributária das Entradas e Dízimos, João Rodrigues de Macedo.
Atualmente, aGerênciaRegional doMinistério da Fazenda em Minas Gerais (GRA-MF/MG), é responsável pela administração da Casa dos Contos, que abriga o Centro de Estudos do Ciclo do Ouro - CECO e conta com espaços destinados às exposições permanentes e temporárias, numa perfeita simbiose com a cultura e as artes contemporâneas.
Tanto a curadora da exposição, Yara Tupynambá, comoa mentora e principal selecionadora das obras, Maria Elvira Salles Ferreira, reconhecemque há lacunas, principalmente em nível de arte conceitual. Não chega a ser uma coleção propriamente dita. No entanto, trata-se de uma resenha de um núcleo que, dependendo de novas aquisições poderá ser transformada numa coleção de peso não só da arte mineira e nacional.

Espaço alternativo
O artista plástico e expertemreciclagem mais notável nas Minas Gerais, Léo Piló, foi o único artista convidado para expor a comemorar mais um aniversário do espaço alternativo do CaféTina. Como só dispunha de dois espaços, Piló optou por pintura técnica mista de porte grande, quase umpainel, e objetos pets recicláveis suspensos.
Desde do início da carreira, Piló trabalhou comarte e transformação; desenho, pintura, tapeçaria e até oratórios. Nos nos 80, Piló abriu fábrica de acessórios e roupas de couro, onde trabalhou até 1995. Após 1996, diversificou seu suporte e áreas de atuação, trabalhou com“wearable art” (arte de usar), figurino, circo, cenografia. marcenaria e serralheriamais reciclagem.
Em 2000, especializou-se em reciclagem e suas possibilidades e inicia com os catadores de papel (Asmare) oficinas de reciclagem de papel, pet, alumínio e tecido. Lá, permanece até hoje desenvolvendo projeto junto a Asmare de capacitação e geração de renda para catadores e ex-moradores de ruas, que conta com interessados e pesquisadores de Portugal, da África do Sul e uns poucos
países da América Latina.
Voltando à sua pintura, o sol, céu e horizonte encontram-se repentinamente, o cavalo segue seu caminho. Do campo de batalha, resta apenas a caixa preta transportando numnicho o coração da amada sacrificada.
Além da pintura, integram todo o espaço produtos achados ao acaso, comouma caixa da griffe Bulgary e outros relevos de metais.


Léo Piló. Café Tina. Avenida Cristovão Colombo. Visitas da partir da happy hour até o último freguês.
Acervo Newton de Paiva. Museu da Casa dos Contos. Até o dia 8 de março, às segundas feiras, das 14 às 20 horas. De terça a sábado, de 10 às 20 horas, e nos domingos e feriados, das 10 às 16 horas. Entrada franca.


(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte, membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte e da Associação Internacional de Críticos de Arte (ABCA-AICA).Home Page: www.morganmotta.com. E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br

19.02.2007