Imagens premiadas





Presos em Itaúna (01), Nova Lima (2), Ribeirão das Neves (3), Itaúna (4).

Fotos: Rodrigo Albert


Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS


Nos últimos dez anos, a partir da década passada, a fotografia como obra de arte contemporânea passou a integrar acervos de museus e coleções particulares por todo o Brasil. Atualmente, cria-se fotografias como se fossem gravuras com séries de dez, 15 e, às vezes até 100 cópias. Em Belo Horizonte, existe um núcleo bastante conhecido, sendo que Rodrigo Albert, pelos seus mais recentes ensaios, passou a ser um dos destaques maiores entre os que trafegam pelas propostas fotográficas.
Por outro lado, o colecionador Tadeu Bandeira, que vai integrar o módulo «O Universo do Colecionador», no próximo Resumo HOJE, tem a fotografia artística como 30% do conjunto do seu acervo, na sua maioria de artistas mineiros que, partindo de Belo Horizonte conquistaram galerias locais, do eixo Rio-São Paulo e do exterior.Além disso, inúmeros prêmios através de concursos e bienais internacionais.

Voltando ao Rodrigo Albert, mineiro de 30 anos, nascido em Belo Horizonte e fotógrafo autodidata, seu êxito começou a partir de uma mostra individual no ano passado, na Galeria de Arte do Fórum Lafayette. Atualmente, ele desenvolve projetos autorais como «Inserção», sobre a implantação do método carcerário APAC (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados), onde os próprios presos cuidam da segurança da penitenciária, sem guardas civis ou militares. Albert documentou, desde 2003, o dia-a-dia desses presos na passagem do sistema usual para o novo método. Com este projeto está entre os finalistas do «World Press Photo Joop Swart Masterclass 2006», organizado pela World Press Fundação, em Amsterdã, na Holanda. Foi convidado para participar da Bienal de fotografia de Liége, na Bélgica, organizad pelo Centro Cultural Les Chirouxe de 18 de fevereiro a 31 de março de 2006, no Mamac (Museu de Arte Contemporânea e Moderna de Liége), e para ilustrar a capa de um exemplar da revista francesa InfosBresil, a ser publicada no segundo semestre deste ano.

Rodrigo, que também foi finalista do concurso «Lust» da revista italiana «Colors Magazine», em setembro de 2005, também recebeu Menção Honrosa na categoria cor e uma outra na categoria PB (leia-se preto e branco), no concurso Leica Agfa Fotografe, no Brasil. As imagens captadas caracterizam-se pelos impactantes e visualmente belas, ou então, algum instante inusitado, caso do dia dia dos presos em termos das séries coloridas.

Por sua vez, outra característica dessa produção de R.A. é a imagem propositadamente escura, assim realizada, para aguçar a imaginação do expectador. Pouco a pouco, alguns símbolos ou detalhes começam a se formar diante dos olhos do visitante.
Sem dúvida, em PB ou em cores, tudo criado pelo jovem fotógrafo salta aos olhos sem que ele faça malabarismos. Além disso, sem se desviar um milimetro da mídia preferida por ele: a fotografia _ e, até certo ponto, o experimentalismo.


(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte. Home Page: www.morganmotta.com. E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br)

24.04.2006