Felinos de Leopoldo e a linha do horizonte





FOTOS: DIVULGAÇÃO


1, 2 e 3 - Felinos de Leopoldo Martins no Museu Inimá

4 - Desenho de José Octávio Cavalcanti na Galeria Cemig



Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS


Os destaques maiores em “Artes na Semana” acontecem através de exposições solos na quarta-feira. A primeira, com esculturas recentes de Leopoldo Martins que, paralelamente lança livro escrito pelo crítico Jacob Klintowitz sobre o artista e sua trajetória (Museu Inimá de Paula).A segunda, atração individual em termos de desenhos, comemora os 58 anos da Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig – na Galeria de Arte Cemig de José Octávio.

Nova exposição

O Museu Inimá de Paula abriga a partir do dia 26, quarta-feira, individual de esculturas de Leopoldo Martins. Leopoldo cujas figuras felinas sempre fizeram parte da sua trajetória artística, na sua maioria recorrentes ao maior nome da escultura figurativa no Brasil, Sonia Ebling. Formado em Desenho Industrial, foi em Nova York que passou a desenvolver suas técnicas em termos de escultura, elegendo o bronze natural fazendo “pendant” com o patinado e até o texturizado. Em 2003 teve seu batismo de fogo numa grande exposição no Museu Nacional de e Belas Arte, no Rio de Janeiro.Por sua vez, no ano passado e neste ano, teve suas propostas em display na S.Nayla Gallery, em Nothing Hill, em Londres e no Centro Cultural Christiane Peugeot, na França.

Na ocasião, durante a abertura, Leopoldo estará autografando livro sobre sua carreira, com texto de Jacob Klintowitz, fotos de Jomar Bragança e Sérgio Abadian.A editora é a AD2 e o apoio cultural conta com o patrocínio do Banco Potencial.Agora, porém, além das esculturas monumentais, sempre presentes desde seu lançamento coloca também em “display” umas poucas de porte médio e pequeno.Além disso, passa a integrar seleto grupo de artistas da geração intermediária que trafega pela arte contemporânea.Sem dúvida, uma carreira em evolução e por que não? Até uma certa ebulição.

- Lançamento do livro “Leopoldo Martins” e a exposição de esculturas de safra recentes estará aberta aos convidados a partir das 19 horas de quarta-feira até às 22,30, no Museu Inimá, na confluência do triangulo formado pelas ruas Bahia-Guajajaras e Alvares Cabral, no antigo Clube Belo Horizonte.Visitas de terças aos domingos, das 10 às 19 horas, sendo às quintas das 12 às 21 horas.

José Octavio Cavalcanti na Galeria Cemig

Sob o título “Linha do Horizonte, José Octavio Cavalcanti dublê de desenhista e arquiteto inaugura individual comemorativa a mais um aniversário de fundação da Cemig, a partir das 20 horas de quarta-feira. O desenho na perspectiva do expositor, faz referência à Belo Horizonte, cidade natal e fio condutor das propostas mais atuais. Objetivamente, “linha do horizonte” é um termo técnico utilizado em desenhos de perspectiva, relacionado com o olhar do observador e sua maneira de se colocar no mundo. Sem dúvida, um fragmento da trajetória dele como desenhista, que teve como referência inicial o trabalho dos desenhistas viajantes europeus que estiveram no Brasil nos séculos passados, visando antes de tudo, registrar as paisagens tropicais e o seu povo” confirma.

Saltam aos olhos na exposição comemorativa, dentre outras obras, uma parte da série inédita denominada “Passepartout” (nome do personagem de A volta ao mundo em oitenta dias), e que, em francês, significa “vai a todo lugar).Trata-se de um trabalho recheado de simbolismo, que possibilita inúmeras leituras.Nele diferentes cidades e regiões se interligam extrapolando limites e eliminando fronteiras. José Octávio, nascido em Belo Horizonte, é bacharel em arquitetura e em desenho pela Universidade Federal de Minas Gerais e também em desenho.É também especilialista em Análise Econômica Regional e Urbana e em Arte Educação, atuando ainda como professor universitário e gestor na Faculdade de Engenharia e Arquitetura da Universidade Fumec e Secretaria de Estado de Cultura.Enfim, a percepção a partir do olhar é um dos pontos que se destaca no conjunto de desenhos.Afinal de contas, são baseadas em suas viagens e experimentações visuais.

- Linha do Horizonte fica em cartaz na Galeria de Arte Cemig, à Avenida Barbacena, 1200 – Santo Agostinho, até o dia 10 de junho.Visitas das 8 às 19 horas, segunda-feira a domingo, incluso nos feriados.Vale a pena a ver de novo todo o talento e todas experimentações do artista.


(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte, membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte e da Associação Internacional de Críticos de Arte - Orgão da Unesco.
Home Page: www.morganmotta.com
E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br


24.05.2010