Leilões têm raridades



FOTOS: DIVULGAÇÃO


1 - Homenagem a Gauguin na ótica de Inimá de Paula, uma das atrações no Palácio dos Leilões

2 - Pintura de Cláudio Tozzi no leilão da galeria Errol Flynn

3 - Da safra de Lamounier Lucas, objeto em cerâmica, tecido e madeira, na Copasa



Morgan da Motta (*)
CRÍTICO/ARTES VISUAIS


Artes na Semana começa recheada de leilões. Afinal, hoje e amanhã, na Galeria do Palácio dos Leilões.Por sua vez, na terça e na quarta, também na faixa das duas noites na Galeria Errol Flynn na Galeria de Arte.Tanto a capa do catálogo do primeiro como do segundo leilão estampam raridades de Alberto da Veiga Guignard.Entra ano sai ano e Guignard, continua em evidência e ascensão em termos de investimentos ou “best-seller” se preferem.É aquela velha estória: o que tem qualidade permanece e o que não tem surge e desaparece como fumaça...De Natal para uns e de Fim de Ano para outros, não deixam de serem os mais caprichados de todo o ano.


Palácio dos Leilões


Com aproximadamente 230 obras de artistas nacionais e internacionais, estarão à disposição óleos sobre telas, esculturas e propostas em papéis (desenhos, aquarelas, gravuras e até óleo sobre cartões). Segundo a marchandise Lucienne Amantéia, do Palácio dos Leilões, Alberto da Veiga Guignard, Artur Pereira, Amilcar de Castro, Jean Pierre Yvaral, Chanina, Inimá de Paula (raridade de 1968), Gonçalo Ivo e Arcângelo Ianelli estão entre os “Top-Ten”.Partindo do modernismo alcançando o contemporâneo, 30% do acervo é dedicado aos artistas mineiros.O mote das duas noitadas: hoje, segunda feira e amanhã terça, , em sua sede à Rua Gonçalves Dias, 1866 – Lourdes.Esculturas de Sonia Bling, Alfredo Ceschatti e Vania Braga em destaque.Em termos de aquarelas Ivan Serpa, Reynaldo Fonseca e Miguel Gontijo chamam atenção.

- Hoje e amanhã, será a hora e a vez das duas noitadas do Palácio dos Leilões, à Rua Gonçalves Dias, 1866, Lourdes.Manobristas a postos, a partir das 20 horas.


Na Errol Flynn

Por sua vez, na terça e quarta feira, dias 2 e 3 dezembro, sob o mote Naatal com bom gosto e requinte, cerca de 330 obras sendo algumas históricas do que há de mais representativos em termos de arte moderna e contemporânea incluindo artistas mineiros, brasileiros e até alguns internacionais.

São nos mais variados suportes, no entanto, saltam aos olhos: Piscina do Hotel de Repouso de Itatiaia, de Guignard, datado de 1940.Reproduzida na página 119 do livro “Guignard: arte e vida, da historiadora e crítica de arte Lélia Coelho Frota.Cláudio Tozzi e seus painéis como Multidão e Geometria em Vermelho.Propostas de Siron Franco, como “Ópera” e “Entrada para Festa” e ainda Eduardo Sued, Alfredo Volpi, Milton da Costa, Arcangelo Ianelli e Aldemir Martins.

- Terça e quarta será a hora e a vez da Errol Flynn Galeria de Arte, a partir das 2030 horas, à Rua Alagoas, 977, na Savassi.


Lamounier Lucas na Copasa

No período de um ano, Lamounier Lucas mergulhou nos elementos das marcas e da aura dos objetos de luxo que exercem sobre todas as pessoas do planeta.Visando antes de tudo, fazer uma oposição a esses objetos de luxo inacessível, a pamonha (aquela mesma vendidada em veículos utilitários em qualquer cidade brasileria, com seu pregão anunciado em megafone) foi escolhida como objeto-signo de contraponto ou interface se prefere, responsável por empreendar uma crítica ao consumo da elite e à fetichização de tais mercadorias.

Sem maiores malabarismo, transforma bolsas e trousses, bem como frascos de perfumes em esculturas-objetos cerâmicas. Enfim, pamonha produto de baixo valor de mercado e de signo, mas, para muitos, de grande valor afetivo no território perdido da memória. Próxima etapa ou desdobramento vai ser com relação à culinária, de preferência criada nos restaurantes de primeira linha e principalmente de comida francesa.Lucas deixa uma pergunta no ar: “Se Chanel vendesse pamonhas? O bom gosto salvaria o mundo?” Com ironia e deboche ele apropriou de tais signos e símbolos e, de maneira prática e objetiva, na base de duas noite de vernissages, a primeira exigiu traje passeio completo, serviu espigas de milho embora nossa opção ou preferência abrange apenas o mingau de milho e a pamonha...Com relação a interpretação de sua proposta ter feito muita gente torcer o nariz, o resultado não foi o caos total, considerando que há monitores e a maioria do métier já está acostumada com suas pesquisas abrangentes e possíveis resultados.De fetiche e de pamonhas ao que parece, a grande maioria consome e pratica...Ficamos curiosos com o que vai render em termos de arte x culinária .

- Os objetos em cerâmica de Lamounier Lucas estarão à disposição do público na Galeria de Arte da Copasa, à Rua Mar de Espanha, 525 – Santo Antonio, até o daí 20 de dezembro.Além do horário comercial de segunda a sexta feira.Aos sábados e domingos funciona normalmente.Vale a pena ver de novo.


Bienal de Veneza

Andrea Goffo, do setor de imprensa da Bienal Internacional de Veneza agradece nossa cobertura e esclarece que apesar da crise, que mais de 350 mil pessoas visitaram a 53a. Edição da Bienal de Veneza realizada de junho a novembro. Anuncia a próxima 12a. Bienal de Arquitetura, a ser realizada de agosto a novembro de 2010.


(*) Morgan da Motta é jornalista e crítico de arte, membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte e da Associação Internacional de Críticos de Arte - Orgão da Unesco.
Home Page: www.morganmotta.com
E-mail: mmotta@hojeemdia.com.br


30.11.2009